PT
  • North America

  • United States EN
  • International

  • English Version EN

Lipedema

Num lipedema, as células adiposas doentes alojam-se em determinados pontos do corpo. Nestes pontos afetados, os tecidos são sensíveis à pressão e às dores, tendo muito depressa tendência a formar nódoas negras (hematomas). No início da doença, as acumulações de gordura encontram-se principalmente abaixo do umbigo, ou seja, no rabo, nas ancas e nas pernas, podendo depois também surgir nos braços numa fase posterior. Em alemão, um lipedema que se estende pela área da coxa e da anca é também designado por «Fenómeno das calças de equitação».

Autoteste

Linfedema ou lipedema?

Para lhe mostrar as diferenças entre os dois quadros clínicos do linfedema e lipedema, comparamos os elementos de distinção mais importantes.

LINFEDEMALIPEDEMA

Surgimento do edema

assimétricosimétrico
Sensação de dor à pressãonãosim
Nódoas negras (hematomas)nãosim
Erisipelafrequentenão

Inchaço existente

no peito do pé e/ou nas costas da mão

simnão

Importante: este autoteste não substitui a consulta de um médico especializado. Ele é imprescindível para um diagnóstico correto.

Lipedema

O lipedema (grego: Lip = gordura) é uma disfunção da distribuição de gordura. O lipedema afeta quase exclusivamente as mulheres, cujos tecidos estão estruturados de forma diferente dos tecidos dos homens. É provável que a predisposição para um lipedema seja genética. A causa desta doença crónica são normalmente transformações hormonais no corpo, que acontecem durante a puberdade, uma gravidez ou a menopausa. Se a condição já existir, é provável que os sintomas se agravem nestas alturas da vida. 

Ícone informativo

É bom saber

  • Poderá também encontrar mais informações, sugestões e relatos de experiências de pessoas afetadas em www.deinestarkeseite.de

Sintomas

Infelizmente, muitas vezes passa muito tempo até se estabelecer o diagnóstico de lipedema. Em muitos casos, é erradamente confundido com obesidade, dado que ambas as condições evoluem muitas vezes em paralelo, o que dificulta uma distinção. Pode detetar a eventual existência de um lipedema pelos seguintes aspetos. 

Gráfico Sintomas Lipedema

Sintomas visíveis externamente
Há sinais exteriores que permitem identificar muito bem um lipedema: 

  • manifesta-se desproporcionalmente em ambas as pernas e/ou braços, os pés e as mãos estão finos(as) e não incham
  • O corpo parece ter proporções erradas, a parte de cima do corpo está estreita, mas o rabo, a anca e as pernas e/ou os braços ficam claramente mais volumosos
  • Os tamanhos de roupa para a parte de cima e a parte de baixo do corpo são extremamente diferentes
  • Há uma grande propensão para nódoas negras (hematomas)
  • O desporto, a alimentação saudável ou as dietas têm um efeito reduzido nas regiões afetadas. O volume não diminui ou não é significativo


Sintomas sentidos internamente
Adicionalmente aos sinais visíveis, há sintomas que alertam para um linfedema: Estes sinais podem também intensificar-se depois de se ficar de pé ou sentado de forma prolongada, ao longo do dia ou em caso de calor:

  • Extrema sensibilidade ao toque dos tecidos
  • Dor à pressão
  • Sensação de pernas pesadas devido ao aumento do tecido adiposo e à acumulação de líquidos nos tecidos

Se identificar um ou vários sinais, deverá consultar um médico especialista. Um diagnóstico precoce é importante para garantir uma evolução ideal da terapia e evitar um agravamento da condição. 

Estádios

Os lipedemas são divididos em vários estádios. Se um lipedema não for tratado, o volume da respetiva zona do corpo vai aumentando cada vez mais ao longo dos anos. Por isso, um diagnóstico precoce de um médico especialista e o início de uma terapia adequada são extremamente importantes para evitar uma progressão da doença.

O gráfico mostra os estádios do lipedema


Estádio I

  • Superfície cutânea brilhante e homogeneamente mais espessa


Estádio II

  • Superfície cutânea irregular, predominantemente às ondas, a chamada «pele casca de laranja»
  • Estrutura nodular dos tecidos (os nódulos podem ter aproximadamente o tamanho de uma noz ou do punho)


Estádio III  

  • Aumento significativo de volume
  • Superfície cutânea dura e muito áspera
  • Os tecidos formam grandes lóbulos nas pernas e/ou nos braços
O gráfico mostra os vários tipos de lipedema

Classificação dos tipos


Nem sempre é fácil identificar com toda a certeza um lipedema porque pode surgir sob várias formas e ser diferente em cada doente. Em função das zonas das pernas e/ou braços que são afetadas, é possível distinguir vários tipos de lipedema.

 

Abordagem em termos de tratamento

É possível prevenir um agravamento do lipedema através de um diagnóstico precoce. Dado que o lipedema é uma doença crónica, ela irá acompanhá-lo/a durante toda a vida. A extensão e as possíveis consequências do lipedema podem ser influenciadas positivamente por uma terapia consequente que permitirá aliviar as queixas. É importante aceitar-se a si próprio(a) e à sua doença, bem como perceber as opções de tratamento o mais cedo possível e a longo prazo, para que se torne o «gestor» da sua doença.

Num lipedema, nem as dietas, nem os jejuns, nem o desporto surtem o êxito desejado, pois isso não reduzirá a gordura nos pontos afetados. Irá apenas perder peso nas partes «saudáveis» do seu corpo. Por isso, estas possibilidades não são vantajosas para o tratamento de um lipedema. No entanto, de uma forma geral, uma alimentação saudável, o exercício e o desporto com artigos de compressão são importantes. Não é possível curar os lipedemas só com medicamentos. Um lipedema é tratado com a Terapia Descongestiva Combinada (TDC) com Drenagem Linfática Manual (DLM) e terapia de compressão auxiliar (método conservador), eventualmente em conjunto com um tratamento de Compressão Pneumática Intermitente (CPI). Este tratamento é composto por duas fases (fase 1: Fase descongestiva, fase 2: Fase de manutenção/otimização).

Métodos cirúrgicos

  • Para algumas doentes, as intervenções cirúrgicas, como a aspiração de gordura (lipossucção) e as posteriores cirurgias plásticas por vezes necessárias podem ser consideradas. No entanto, isto deve ser decidido caso a caso pelo médico assistente, pressupondo um método de tratamento conservador consequente prévio.

Lipossucção – Uma nova possibilidade na terapia do lipedema
O aumento dos tecidos adiposos só pode ser resolvido com uma lipossucção, ou seja, uma aspiração de gordura, que apenas poderá ser feita após uma terapia conservadora realizada de forma consequente.
Uma lipossucção não é garantia de cura para o lipedema, mas permite um alívio e diminuição temporários das queixas.
Se estiver a considerar uma lipossucção, é imprescindível informar-se junto de um ou vários médicos especialistas sobre eventuais êxitos, riscos e efeitos secundários, bem como sobre os custos e os resultados a longo prazo deste método. Nalguns casos mais raros, os seguros de saúde assumem os custos de uma lipossucção. Por outro lado, os custos da artigos de compressão são normalmente assumidos na maioria dos casos.

Ambulatório ou internamento?
A decisão de se tratar o linfedema ou o lipedema em ambulatório ou com internamento depende em primeira linha do estádio de progressão do edema e de eventuais doenças associadas. Pode fazer sentido tratar um edema com internamento por vários motivos:

  • Uma melhoria dos sintomas só pode acontecer se a terapia na fase descongestiva (TDC fase 1) for seguida sem falhas, de forma completa e contínua, ou seja, diariamente. Se for interrompida, o diagnóstico e os sintomas poderão agravar-se. 
  • Principalmente quando um linfedema ou lipedema já está em fase avançada, podem ser necessárias medidas intensivas para reduzir significativamente os volumes. Por vezes, pode acontecer que o doente ocupe grande parte do seu dia com a terapia. Nestes casos, um tratamento ambulatório nem sempre é possível.
  • Só o uso diário das dispositivos para compressão na fase descongestiva ou da artigos de compressão na fase de manutenção garante bons resultados visíveis e duradouros. Muitas vezes, a motivação, principalmente na fase de manutenção da terapia, pode diminuir. Um internamento com terapia descongestiva consequente e a daí resultante diminuição dos volumes e das dores pode aqui dar uma ajuda adicional para o uso continuado da artigos de compressão.
  • Um internamento inclui também outras medidas importantes, como cuidados da pele, aconselhamento alimentar, terapia das dores, exercícios de fitness, acompanhamento psicológico ou instruções de autotratamento para depois da alta. Uma fase descongestiva intensiva e a aprendizagem de um autotratamento correto podem também ser realizadas em ambulatório, em centros especializados em linfologia.

Complicações

Surgimento de um lipolinfedema

Em especial nos estádios avançados do lipedema, surge muitas vezes o chamado «Lipolinfedema», conforme já foi explicado na secção relativa ao linfedema.

Neste caso, para além do lipedema existente, há adicionalmente uma perturbação da drenagem linfática. Esta forma combinada surge devido a um grande estreitamento dos vasos linfáticos provocado por tecidos adiposos de crescimento intenso. A linfa deixa de fluir adequadamente e acumula-se nos tecidos.

O linfedema desenvolve-se no âmbito de um lipedema, sendo normalmente simétrico, ao contrário daquilo que acontece normalmente.


Danos consequentes em termos ortopédicos

Devido ao aumento do volume na parte interna das coxas, a mobilidade e a passada podem ficar muito afetadas. Neste caso, podem surgir posições erradas na zona das articulações do tornozelo, do joelho e da anca.


Dano do sistema venoso

Se lhe for diagnosticado um lipedema, recomenda-se adicionalmente um exame flebológico do sistema venoso dado que este pode sofrer danos devido à existência de um lipedema. Uma deteção precoce de uma disfunção venosa pode evitar o surgimento de varizes superficiais e danos no sistema venoso profundo ou permite tratar uma patologia venosa já existente. 

Poderá encontrar informações sobre as várias patologias venosas existentes na nossa página Flebologia.