PT
Europe
Austria DE
Belgium NL-BE | FR
Denmark DA
France FR-FR
Germany DE
Italy IT
Luxembourg DE | FR
Netherlands NL
Portugal PT
Spain ES
Sweden SV
Switzerland DE | FR
United Kingdom EN-UK
North America
United States EN
International
English Version EN
 

Terapia cicatricial: informações e sugestões
sobre a pele e as cicatrizes

O que nós queremos é: O seu bem-estar

Queremos contribuir para o seu bem-estar. Aqui, poderá ficar a saber tudo sobre o tema «Cicatrizes e terapia cicatricial». A terapia cicatricial é um tema complexo, que suscita frequentemente muitas perguntas por parte das pessoas afetadas e dos seus familiares. Como se forma a pele, como e por que motivo surgem cicatrizes? Que opções existem para o tratamento de cicatrizes e como pode a terapia cicatricial ajudar? Tentamos responder a muitas das suas perguntas para lhe dar uma ajuda ideal e lhe garantir que «Freedom in Motion»!

Ícone informativo

É bom saber

  • A pele dos bebés é cerca de 20 a 30% mais fina do que a pele de um adulto. É constituída pelo mesmo número de camadas de pele, mas cada camada é nitidamente mais fina. Por isso, é particularmente suave e delicada. 
  • A pele das mulheres tem uma estrutura diferente da pele dos homens: a epiderme do homem é muito mais grossa do que a da mulher. Adicionalmente, as fibras do tecido conjuntivo estão mais interligadas, envolvendo compartimentos de gordura muito mais pequenos.
Representação das camadas da pele

Como está formada a pele?

A pele tem uma estrutura complexa. É igual em todos os locais. É composta por três camadas (epiderme, derme
e hipoderme) que têm diferentes tarefas. A espessura da pele varia em função da região do corpo. Se se olhar para a pele do rosto ou das costas das mãos, ela é quatro vezes mais fina do que, por exemplo, na coxa.

Epiderme: proteção e órgão imunitário

Apesar de ser muito fina, a camada de topo da pele (lat. Epidermis) é o escudo de proteção do corpo. A epiderme é a camada da pele que é vista como a pele por quem olha para ela. A tarefa da epiderme é proteger o corpo das várias influências do exterior e dos raios UV, ou de substâncias nocivas. Se a epiderme estiver intacta, os microrganismos, como as bactérias, por exemplo, não conseguem penetrar no corpo. Impede também que o corpo fique desidratado. As células da epiderme renovam-se permanentemente e têm um ciclo de vida de cerca de um mês. Em seguida, morrem e soltam-se da superfície da pele.

Derme: rede e sistema de transporte

Logo abaixo da epiderme e ligada a ela encontra-se a derme (lat. Dermis). É mais grossa do que a camada superior de pele, sendo muito forte, elástica e resistente devido às suas fibras de colagénio e elastina. Ao contrário da epiderme, esta camada contém células nervosas, vasos sanguíneos e vasos linfáticos. A derme é, nomeadamente, responsável por transmitir a sensação de toque, pressão, dor, temperatura ou comichão. Os vasos sanguíneos contidos na derme regulam também a retenção de calor da pele.

Hipoderme: armazém de gordura da pele

A hipoderme (lat. Subcutis) é principalmente composta por tecido adiposo que armazena energia, protege o corpo do frio e lhe serve de almofada. Em função da região do corpo, esta camada de pele é mais ou menos grossa. Além disso, é na hipoderme que se encontra a raiz dos pelos e cabelos, bem como as glândulas sebáceas e sudoríparas do corpo.


Formação das cicatrizes: Por que motivo surgem as cicatrizes?

Cada lesão da pele deixa marcas, sob a forma de cicatrizes. Se uma lesão for apenas superficial ou pequena, é raro surgirem cicatrizes. No entanto, se uma grande extensão de pele
for afetada ou se a lesão chegar às camadas profundas da pele, poderão surgir cicatrizes claramente visíveis e grandes limitações no quotidiano. Cada doente lida de forma diferente com as suas cicatrizes, sendo que a história pessoal de cada desempenha um papel importante. Uma terapia cicatricial deve ter como objetivo não só a recuperação da mobilidade, como também o restabelecimento das características estéticas. Independentemente de ser pequena ou grande, uma cicatriz pode ter uma grande influência na qualidade de vida. Por isso, é possível tratar qualquer cicatriz de forma a influenciar o mais positivamente possível a sua qualidade.

Surgimento de cicatrizes

Se a pele sofrer uma lesão, seja devido a acidentes, cirurgias ou doenças, o organismo tenta reparar estes danos, embora muitas vezes não tenha a mesma capacidade para isso do que antes da lesão. Este processo só é bem sucedido se não existirem outras doenças associadas que possam dificultar uma reparação da pele. No caso de lesões superficiais que apenas afetem a epiderme (lat. Epidermis), as feridas podem ficar totalmente curadas sem deixar marcas (cicatrização epitelial). Estas lesões da epiderme são, por exemplo, queimaduras solares ou arranhões superficiais. Se as camadas mais profundas da pele forem afetadas, como acontece, p. ex., nas cirurgias, as diversas fases da cura levam à formação de cicatrizes. A evolução da cicatrização depende do tipo, da extensão e da profundidade de uma ferida.

Representação das camadas de pele em fase de limpeza

                      Fig. 1 Fase de limpeza 

Representação das camadas de pele em fase de granulação

                      Fig. 2 Fase de granulação

Representação das camadas da pele em fase de reparação

                        Fig. 3 Fase de reparação

As fases de cicatrização de uma cicatriz

Para perceber o surgimento das cicatrizes na última fase de cicatrização, pode ajudar olhar mais atentamente para o processo de cicatrização.


1. Fase de limpeza

Logo após uma lesão, a coagulação inicia-se, o corpo tenta parar o sangramento e,
ao mesmo tempo, eliminar os germes e as bactérias da ferida, impedindo que entrem no corpo. Esta fase pode durar até três dias.



2. Fase de granulação

Alguns dias após a lesão, o corpo, os vasos e o tecido começam a regenerar-se (tecido de granulação), com o objetivo de tapar a ferida o mais rapidamente possível.



3. Fase de reparação

Entre o quinto e o décimo dia posterior ao surgimento da ferida começa a última fase – A ferida fecha à superfície. Nesta última fase inicia-se a formação da cicatriz. A fase de reparação pode prolongar-se por várias semanas e meses.

As cicatrizes que surgem na fase de reparação podem não causar apenas um problema estético. Nos pontos
da cicatriz, a pele tem menos elasticidade devido a espessamentos, encolhimentos e endurecimentos.

Ícone informativo

É bom saber

  •  O tecido cicatricial pode alterar-se até dois anos após o seu surgimento.
  •  Durante este período, a terapia cicatricial pode influenciar positivamente a extensão de uma cicatriz. Logo no início da formação da cicatriz, ou seja, numa cicatriz imatura, é possível diminuir em parte a comichão e as dores.

Fatores relacionados com a qualidade das cicatrizes

As cicatrizes não são todas iguais. Se observássemos o processo de cicatrização de uma lesão exatamente igual em duas pessoas diferentes, a cicatriz nunca seria igual. Uma cicatriz ou o seu aspeto e evolução depende de variadíssimos fatores, podendo estes ser parcialmente influenciados.

Influenciável

  • Mobilização
    Em função do tipo e da gravidade do ferimento que causou a cicatriz, pode ser necessária uma movimentação passiva feita por um terapeuta. Uma mobilização da cicatriz e das áreas circundantes aumenta a circulação do sangue e ajuda o tecido conjuntivo a ficar mais solto, mais mole e mais suave. Isto melhora a qualidade da cicatriz.

  • Evitar o sol
    As cicatrizes recentes não devem nunca ser expostas diretamente ao sol; caso contrário, podem ficar escuras. Deve sempre considerar-se cobrir a cicatriz com roupa normal ou artigos de compressão resistente à passagem dos raios UV e/ou bloqueadores solares.

  • Terapia de compressão
    O uso diário de artigos de compressão tem um efeito positivo na qualidade da cicatriz e pode auxiliar a cicatrização, bem como reduzir o seu crescimento.

  • Pensos de silicone e pomadas
    A utilização de pensos de silicone e de pomadas especiais tem uma ação positiva sobre o tecido cicatricial. Mantém o tecido hidratado, suave e pode auxiliar na cicatrização.




Não influenciável  

  • Localização
    As cicatrizes situadas em zonas do corpo que se encontram muitas vezes em movimento estão continuamente sob tensão. Esta tensão contínua pode levar à formação de cicatrizes com aspeto indesejado.

  • Idade
    À medida que a idade avança, as feridas cicatrizam pior porque a estrutura da pele fica alterada. A elasticidade e as camadas de gordura são menos, e o fornecimento de sangue diminui. As crianças e os jovens têm tendência a ter cicatrizes mais espessas e salientes, porque produzem normalmente tecido conjuntivo novo em excesso.

  • Espessura da pele
    A pele mais espessa forma cicatrizes visíveis e mais evidentes. A espessura da pele vai crescendo a partir da infância, voltando a decrescer a partir dos 65 anos.

  • Tipo de pele e origem
    As pessoas de origem africana e asiática têm tendência para uma cicatrização rápida e para a proliferação de cicatrizes devido a uma formação intensa de tecido conjuntivo novo.

  • Outras doenças
    As doenças existentes ou prévias (problemas de circulação, diabetes, etc.) têm uma influência negativa sobre a cicatrização.
Mulher com uma camisola compressiva veste um casaco

Que tipos de cicatriz existem?

Em função do ferimento que causou a cicatriz e da cicatrização, podem distinguir-se diversos tipos de cicatriz em termos de aspeto e formação.


Cicatrizes hipertróficas
As cicatrizes elevadas, vermelhas ou com saliências são designadas por cicatrizes hipertróficas. Surgem devido a uma produção exagerada de tecido conjuntivo novo, que forma cicatrizes proeminentes e espessas. Elas crescem dentro da zona original da ferida, ou seja, as cicatrizes não se alteram de forma descontrolada.

As cicatrizes hipertróficas podem regredir espontaneamente ao longo do tempo, sendo que uma terapia cicatricial adaptada permite auxiliar esta regressão. A causa mais frequente de uma cicatriz hipertrófica são as elevadas forças de tração que surgem durante a cicatrização. Isto acontece principalmente nas articulações.


Cicatrizes queloides

Tal como nas cicatrizes hipertróficas, também os queloides se caracterizam pelo crescimento do tecido cicatricial. Nos queloides, este tecido cresce também para além da área da lesão, continuando por vezes após a cicatrização. O crescimento pode também surgir vários meses depois. A causa dos queloides é um crescimento descontrolado e intenso do tecido conjuntivo. 

O crescimento pára após um determinado período de tempo, mas o queloide que se formou não regride. A zona fica vermelha ou mais escura do que o resto da pele, podendo também causar comichão e dores.

Um queloide pode reincidir, mesmo depois de eliminado cirurgicamente. Por isso, é importante um tratamento de cicatrizes que combine vários métodos terapêuticos, para se alcançarem bons resultados duradouros.


Cicatrizes atróficas
Ao contrário dos dois tipos de cicatriz anteriormente descritos, a cicatriz atrófica forma uma reentrância em relação à pele que a circunda.

Forma-se demasiado pouco tecido conjuntivo para tapar totalmente a ferida. As cicatrizes atróficas surgem principalmente no caso de feridas que cicatrizam mal, como exemplo, após a acne, podendo muitas vezes ser vistas na região da face.

Ícone informativo

Importante

  •  Uma melhoria das cicatrizes exige tempo e paciência. Uma cicatriz existente nunca irá desaparecer por completo. Não se deixe desencorajar se uma cicatriz não tiver o aspeto que deseja ou se não sentir imediatamente alterações visíveis durante uma terapia cicatricial. O que pode fazer para perceber mais facilmente os progressos, por mais pequenos que sejam, é documentar o processo com fotografias. Assim, tem a possibilidade de comparar as alterações ao longo da terapia.

Os 4 pilares da terapia cicatricial

Na área da Cirurgia Plástica

Cada intervenção cirúrgica deixa marcas visíveis na pele. Uma terapia cicatricial localizada e abrangente pode ser muitas vezes necessária, e noutros casos até desejável, para melhorar o aspeto das cicatrizes e as suas características. O resultado final depende do tamanho, do tipo e de fatores de cicatrização individuais. A Cirurgia Plástica identifica quatro pilares que abordaremos em seguida. O restabelecimento ou a melhoria da mobilidade e da função e/ou um resultado estético são essenciais para a Cirurgia Plástica. As formas e as funções do corpo são influenciadas positivamente pela alteração. Além disso, existe também uma necessidade médica ou o desejo pessoal de mudança cosmética do doente.


1. pilar: Cirurgia Reconstrutiva

A cirurgia reconstrutiva, um ramo da cirurgia plástica, é utilizada depois de acidentes (cirurgia traumatológica) e depois de operações, por exemplo, na extirpação de tumores cancerosos. Os defeitos congénitos também são tratados na cirurgia reconstrutiva. Por vezes, durante as intervenções, por exemplo, na sequência de uma doença oncológica ou de outros defeitos, mas também depois de acidentes, são transplantados tecidos saudáveis de uma determinada região do corpo, de forma a cobrir feridas ou substituir tecidos em falta. Em consequência, formam-se cicatrizes em várias regiões do corpo. Estas cicatrizes não só são percecionadas como desagradáveis, como também podem restringir a mobilidade das pessoas afetadas. Depois da cicatrização da ferida, as zonas ativas da cicatriz devem ser tratadas com uma terapia cicatricial adequada.


A terapia cicatricial ajuda a uma cicatrização uniforme do tecido cicatricial e previne o desenvolvimento de cicatrizes salientes ou até de cicatrizes com retração de pele, em especial em superfícies mais extensas, podendo provocar mal-estar ou mesmo dores. A estética também desempenha um papel importante, especialmente no caso de intervenções cirúrgicas em áreas visíveis do corpo. É totalmente compreensível e admissível que não seja fácil ver o tecido cicatricial depois de uma operação, em especial no início, e que seja difícil aceitar esta nova situação alterada. Durante o período decisivo da sua terapia cicatricial individual, pode usar roupa de compressão e produtos complementares, como almofadas de silicone e auxiliares para vestir.

2. pilar: cirurgia da mão

A cirurgia da mão é uma área especial da Cirurgia Plástica. As intervenções cirúrgicas na mão são muito complexas, devido às diversas estruturas desta extremidade. As mãos e os dedos são as «ferramentas» mais importantes do nosso quotidiano, pelo que o melhor e mais rápido restabelecimento possível da funcionalidade tem sempre prioridade máxima. Por isso, um corte preciso durante uma intervenção é tão importante como a posterior terapia cicatricial localizada, dado que as cicatrizes que surgem podem provocar grandes limitações nos tecidos sensíveis da mão. Uma terapia intensiva e localizada de cicatrizes, composta por vários elementos e métodos, coloca a função e a mobilidade da mão no centro do tratamento.


3. pilar: cirurgia estética

A cirurgia estética é outro pilar da Cirurgia Plástica. Nas intervenções realizadas, não há qualquer indicação médica obrigatória, ao contrário dos outros pilares. A intervenção é de natureza cosmética. Estas intervenções podem ter como efeito alterações de forma, conforme acontece na cirurgia reconstrutiva, mas colocam o resultado estético em primeiro plano. A decisão de intervenção estética pode ser provocada por um desejo individual de alteração física, ou também pela necessidade de recuperação estética após acidentes ou doenças. Uma terapia cicatricial subsequente é possível para melhorar as cicatrizes que se formaram, tornando assim a intervenção o menos visível possível.


4. pilar: cirurgia de queimaduras

A cirurgia de queimaduras trata as queimaduras/escaldões graves, bem como as cicatrizes de queimaduras. O tratamento de queimaduras e escaldões graves depende
principalmente de dois fatores: Qual a profundidade da queimadura? Qual a superfície do corpo afetada? A profundidade da queimadura é classificada em graus (grau I, IIa, IIb, III). Uma intervenção cirúrgica é normalmente necessária em queimaduras a partir do grau IIb (lesão até às camadas profundas da derme) e III (destruição completa, incluindo da derme e lesão da hipoderme). Em função da profundidade e da extensão das queimaduras, o doente deve primeiro ser sujeito a um tratamento médico intensivo. Na cirurgia de queimaduras, é muitas vezes necessário, devido à gravidade das queimaduras, remover o tecido e substituí-lo por tecido novo através de transplantes de pele. Um tratamento intensivo é extremamente importante, principalmente no caso das queimaduras, porque as cicatrizes de queimaduras costumam encolher ou o novo tecido conjuntivo prolifera de forma intensa. Se não houver tratamento, podem surgir graves restrições da função e mobilidade.

Ícone informativo

Importante

  •   Aplica-se o seguinte a todos os quatro pilares da Cirurgia Plástica: é possível iniciar uma terapia cicatricial logo que a ferida está sarada. Quanto mais cedo se aplicar a terapia adequada, melhores serão os resultados finais.
Uma família com duas crianças

Métodos de tratamento na terapia cicatricial

Infelizmente, as cicatrizes não podem tornar-se invisíveis. No entanto, há boas opções de tratamento para melhorar nitidamente o seu aspeto e a sua função. Cada cicatriz é diferente, pelo que também são vários os requisitos colocados à terapia cicatricial. Para obter o melhor resultado possível, é necessário iniciar precocemente a terapia após uma intervenção.

Assim, é possível aproveitar ao máximo o período durante o qual a cicatriz está ativa. Em todas as cicatrizes, devem iniciar-se, logo após a cicatrização, tratamentos (conservadores) não invasivos. No caso de cicatrizes que causem restrições nítidas da função ou da mobilidade, pode ser necessário corrigir a cicatriz. Esta correção é efetuada cirurgicamente ou, p. ex., com uma terapia a laser, em função da extensão da cicatriz. O seu médico assistente irá escolher a terapia mais adequada ao seu caso ou combinar vários métodos de tratamento.

Tecidos de malha Juzo para a terapia cicatricial

As queimaduras e os escaldões, bem como as intervenções cirúrgicas, causam cicatrizes por vezes extensas e incomodativas. Uma compressão externa logo após a cicatrização contribui para que não surja uma cicatriz proliferativa.


Julius, o pequeno ajudante

Com o «pequeno ajudante Julius», a Juzo pretende ajudar as crianças afetadas e os pais nos momentos difíceis após um acidente. 


Ícone informativo

Importante

  • Mesmo nas cicatrizes «antigas», mas ainda ativas, que não foram tratadas numa fase precoce, é possível obter muito bons resultados com compressão e silicone.
  • Para que assente de forma ideal e perfeita, o ajuste do seu tratamento de compressão deve ser verificado regularmente.
Mulher usando camisola compressiva Juzo, segura carteira

Terapia de compressão na terapia cicatricial

O que é um tratamento de compressão?
Um eventual método de tratamento na terapia cicatricial é a aplicação de pressão (compressão) na zona da cicatriz. Esta compressão pode ocorrer sob a forma de um tratamento de compressão de malha plana, adaptado individualmente a cada parte do corpo. Há muitos anos que a compressão é usada com êxito na terapia cicatricial. Mesmo nas cicatrizes mais antigas, uma terapia de compressão pode influenciar positivamente a cicatriz.


Adaptação do tratamento de compressão
Um tratamento de compressão exatamente ajustado exerce uma pressão constante e eficaz em termos médicos, ajudando a melhorar nitidamente a região da cicatriz. Não deve apertar nem escorregar. Os técnicos especializados da loja de artigos medicinais determinam as suas medidas pessoais. Em seguida, é possível mandar fazer um tratamento de compressão ajustado e anatomicamente perfeito para si (p. ex., Juzo Expert). Ao tirar as medidas, determina-se também se é necessário incluir equipamentos especiais adicionais, como, p. ex., almofadas de compressão, para conseguir obter uma pressão homogénea perfeita na zona da cicatriz. A classe de compressão (intensidade da pressão) adequada para si é-lhe receitada pelo seu médico.

Ajuste do tratamento de compressão
A sua artigos de compressão assenta no corpo de forma ajustada e como uma segunda pele. Deste modo, consegue-se a pressão pretendida.
Isso pode exigir habituação, principalmente no início da terapia, e, no caso de cicatrizes recentes, pode ser desagradável usar e vestir o tratamento de compressão. Não se deixe desencorajar porque só o uso contínuo do tratamento de compressão, dia e noite, permite alcançar um resultado satisfatório.

Com o tempo, um pouco de treino e meios auxiliares úteis, vestir o tratamento será cada vez mais fácil e usá-lo fará cada vez mais parte do seu dia a dia.

Ação da terapia de compressão

Representação de cicatriz hipertrófica

Fig. 1 Cicatriz hipertrófica saliente, sem compressão

Cicatriz plana sob a malha de compressão

Fig. 2: Cicatriz plana sob a malha de compressão

A terapia de compressão pode ser iniciada logo que a ferida esteja fechada. A pressão homogénea e extensa da artigos de compressão pode ter vários efeitos positivos sobre a área da cicatriz:

  • Cicatrização mais rápida da área

  • Prevenção de crescimento descontrolado 

  • Prevenção de proliferação da cicatriz

  • Desvanecimento da cicatriz

  • Tecido cicatricial mais mole

  • Diminuição da espessura da cicatriz

  • Proteção da pele sensível ou do enxerto

  • Alívio da comichão na área da cicatriz

  • Alívio de eventuais dores

  • Aumento da mobilidade das cicatrizes nas zonas das articulações

  • Minimização do risco de contração da cicatriz e da consequente rigidez articular

Duração terapêutica da terapia de compressão

A duração da sua terapia de compressão não pode ser definida de forma precisa. Depende de vários fatores, podendo por isso durar de seis meses a dois anos. A sua disponibilidade pessoal para a terapia e a sua paciência, mas também o acompanhamento e o apoio da família e dos amigos são decisivos para o êxito da terapia. Só o uso consequente da artigos de compressão durante, pelo menos, 23 horas por dia permite obter uma boa cicatrização sem restrições funcionais.

Outros fatores que influenciam a duração terapêutica são:

  • Grau de gravidade das cicatrizes
  • Localização e dilatação das cicatrizes
  • Comportamento individual em termos de cicatrização
Ícone informativo

É bom saber

  • Uma terapia de compressão permite em muitos casos evitar uma correção cirúrgica da cicatriz. No entanto, isto deve ser decidido de forma individual e caso a caso.

Terapia com silicone para o tratamento de cicatrizes

O tratamento de cicatrizes através da utilização de silicone é outra possibilidade eficaz na terapia cicatricial. As possibilidades de utilização do silicone são variadas, desde pensos de silicone a máscaras faciais completas. Os pensos de silicone permitem manter a hidratação natural da pele debaixo do silicone, evitando-se assim uma desidratação da área cicatricial. Os pensos de silicone (p. ex., Juzo ScarPad) são compostos a 100% por silicone medicinal. Dado que são moles, altamente elásticos e muito flexíveis, são agradáveis ao uso e não incomodam. Os pensos de silicone podem (em função da cicatriz) ser usados juntamente com uma artigos de compressão ou sozinhos. A utilização precoce e adicional dos pensos durante a terapia de compressão permite complementá-la de forma ideal e melhorar ainda mais a sua ação:

  • o tecido cicatricial fica mais mole
  • Redução do crescimento descontrolado ou da proliferação da cicatriz
  • Proteção adicional do tecido cicatricial novo ou do enxerto
  • Evite uma fricção direta na pele
  • O silicone permite evitar uma desidratação da zona cicatricial


Nas zonas do corpo onde não é possível aplicar pressão suficiente sobre o tecido cicatricial só com a compressão, os pensos de silicone, usados debaixo da compressão, são uma grande ajuda. Isto pode, por exemplo, acontecer na zona do tornozelo ou no decote.

Sugestões para uma terapia cicatricial bem-sucedida

Compilamos aqui algumas sugestões úteis sobre como pode contribuir para o êxito da sua terapia cicatricial. Muitas vezes, são as pequenas coisas que não implicam muito esforço que permitem progressos adicionais e podem tornar a sua terapia mais fácil.

Ícone Tempo de utilização


Tempo de utilização
Use a sua artigos de compressão durante, pelo menos, 23 horas por dia e exatamente conforme prescrito pelo seu médico. Só assim é possível obter um êxito terapêutico máximo.

Ícone Radiação solar


Radiação solar

Não coloque as suas cicatrizes sob radiação solar direta e proteja-se bem com protetor solar. A radiação solar direta promove a formação de cicatrizes hipertróficas. O tecido cicatricial pode também ficar mais escuro. A artigos de compressão da Juzo (Juzo Expert) garante-lhe um fator de proteção solar de 80 nas classes de compressão 1 e 2 (A classe de compressão determina a intensidade da pressão e é definida pelo seu médico). Os pensos de silicone da Juzo (Juzo ScarPad) oferecem uma proteção adicional dado que têm um fator de proteção solar 50.


Ícone lavagem a 40º


Limpeza do tratamento de compressão

A sua artigos de compressão pode ser lavada na máquina de lavar roupa, no programa para roupa delicada (até 40°C). Lave a sua artigos de compressão todos os dias; só assim é que a elasticidade se irá manter de forma duradoura. As peles mortas, os restos de pomadas, a sujidade e o pó têm uma ação abrasiva sobre os fios e as fibras. Só através de uma lavagem diária é que estes resíduos podem ser totalmente eliminados, aumentando assim a durabilidade da artigos de compressão. Recomendamos Juzo Detergente especial em todos os ciclos de lavagem. Não use amaciadores, dado que eles agridem os fios de compressão!

Ícone Fisioterapia / Ergoterapia


Fisioterapia/ergoterapia

O movimento localizado da fisioterapia e ergoterapia é muito importante para uma terapia cicatricial eficaz. O tecido cicatricial é mobilizado e mais bem irrigado com sangue, e o tecido conjuntivo fica mais mole. Além disso, é uma terapia ideal para posições erradas das articulações ou rigidez dos membros, obtendo-se assim melhores resultados. Cumpra impreterivelmente a recomendação terapêutica do seu médico.


Ícone Limpeza dos pensos de silicone


Limpeza dos pensos de silicone

Limpe os seus pensos de silicone diariamente, só assim é possível garantir a higiene necessária na zona da cicatriz, assim como uma fixação segura. O penso de silicone é lavado com um detergente especial (Juzo ScarPad Cleaning Soap). Deite umas gotas de detergente no penso de silicone, e lave-o bem debaixo de água quente a correr. Após a limpeza, pouse o penso em cima de um pano seco, com a face autocolante para cima. Pode ser usado de novo depois de estar totalmente seco.

Ícone Cuidados com as cicatrizes


Cuidados com as cicatrizes

As cicatrizes mantêm-se suaves se as massajar diariamente com um creme. A higiene é muito importante: Mantenha a área da cicatriz limpa para prevenir inflamações. Siga as recomendações do seu médico assistente.

Ajuste


Ajuste

A roupa de compressão deve assentar na perfeição, sem apertar nem escorregar. Em caso de alteração de peso ou de crescimento nas crianças, as medidas do corpo alteram-se. Neste caso, contacte a loja especializada em produtos medicinais. Esta irá verificar o ajuste do tratamento e, eventualmente, tirar novamente medidas para lhe dar um novo tratamento.

Feridas abertas


Feridas abertas

Os pensos de silicone não devem, de modo algum, ser colocados sobre feridas abertas! Antes de usar um tratamento de compressão com feridas já existentes, consulte impreterivelmente o seu médico. Se o médico concordar, é possível usar roupa de compressão por cima de uma ligadura, ou de um penso, no caso de feridas mais pequenas. Os defeitos residuais resolvem-se especialmente depressa e sem complicações com pressão de compressão.